Press News & Events

Crescimento que Governo prevê "parece desalinhado" com outras entidades

Sexta, Outubro 18, 2019 - 08:59
Publicação
Notícias ao Minuto

O Executivo de António Costa estima uma ligeira aceleração do crescimento no próximo ano, mas as principais instituições europeias prevêem uma desaceleração no próximo ano. Serão prudentes as expectativas do Governo?

O Governo divulgou, na quarta-feira, o esboço orçamental para 2020, que enviou à Comissão Europeia, onde antecipa uma ligeira aceleração do crescimento no próximo ano para 2%. O Conselho de Finanças Públicas mostrou ter "reservas" sobre estas previsões e o economista João Borges de Assunção alerta que este cenário parece estar "desalinhado" com o que é antecipado por outras entidades. 

"O cenário do crescimento do PIB em 2% no ano de 2020 parece desalinhado com a generalidade das instituições. Que neste momento antecipam que um cenário de ligeiro abrandamento é mais plausível que uma ligeira aceleração", referiu João Borges de Assunção, que é também professor da Universidade Católica, em resposta às questões colocadas pelo Notícias ao Minuto. 

O Ministério das Finanças decidiu rever em alta as projeções para o crescimento económico do próximo ano para 2%, face à anterior previsão de 1,9%, incluída no Programa de Estabilidade apresentado em abril. 

João Assunção considera que a previsão do Governo parece "suportada num crescimento das exportações de 3,9%, o que nesta altura parece imprudente e não corresponde ao consenso dos especialistas", apontou. 

Até porque há riscos evidentes para a economia portuguesa no próximo ano. O economista destaca a desaceleração da zona euro, a incerteza em torno do Brexit e as tensões geopolíticas. Por cá, o setor financeiro promete continuar a ser um risco. Mas não só. 

"Os riscos mais importantes surgem do exterior e prendem-se com a desaceleração na zona euro, os desenvolvimentos do processo do Brexit e também os riscos geopolíticos resultantes das tensões comerciais à escala global. Em termos internos continuam os riscos oriundos do setor financeiro e de potenciais necessidades de capital e ainda dos decorrentes de eventuais desenvolvimentos adversos no setor do imobiliário", refere o professor da Universidade Católica. 

Também merecem atenção os riscos políticos internos, "dada a nova configuração do Parlamento", bem como o facto de não se conhecer ainda a "orientação da política orçamental do próximo governo nem se terá apoio político suficiente". 

De recordar que o documento que Portugal enviou à Comissão Europeia é um esboço considerando um cenário de políticas invariantes, pelo que poderá diferir do documento final que será apresentado depois de o novo Governo tomar posse, tal como referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, na quarta-feira.  

 

Related Press News

04/12/2020 - 12:21
Observador
Somos baratos e gabamo-nos de que as melhores marcas do mundo vêm cá comprar. É insustentável esta missiva de sermos um país de subcontratos, onde nem naquilo em que somos bons nos destacamos. Na conferência – Fábrica 2030. Portugal e a...
27/11/2020 - 19:22
Observador
Todos somos, mesmo que não o reconheçamos, puxados em várias direções por várias marcas que falam connosco ininterruptamente e com as mais variadas e atraentes promessas. Levar as pessoas a fazer aquilo que as marcas querem que elas façam. É esta a...

Próximos eventos

10
Dez
17:00

Católica Lisbon School of Business & Economics

Lisboa1649-023
Portugal
09
Jan
10:00

Católica Lisbon School of Business & Economics

LisboaLisboa1649-023
Portugal