Press News & Events

Contração da economia portuguesa atingiu 13% no segundo trimestre

Thursday, July 9, 2020 - 11:00
Publication
Expresso

Sobre o crescimento anual do Produto Interno Bruto, a Católica mantém o cenário anunciado em março de uma queda de 10% em 2020, sublinhando que o valor de 7% indicado no Orçamento do Estado Suplementar parece otimista.

A economia portuguesa terá recuado 13% em cadeia no segundo trimestre, após uma contração de 3,8% nos primeiros três meses do ano, segundo as estimativas do NECEP, Católica Lisbon Forecasting Lab, divulgadas esta quarta-feira. "No seu cenário base, a economia portuguesa terá contraído 13% em cadeia no 2.º trimestre de 2020 após uma queda de 3,8% no 1.º trimestre", apontou, em comunicado a Católica.

De acordo com o NECEP, esta evolução justifica-se com "quedas menos acentuadas em alguns setores", como o da construção, assim como pela recuperação do comércio a retalho e pelas operações na rede Multibanco, "se bem que parcial e ainda distante dos níveis observados no final do ano passado".

O Católica Lisbon Forecasting Lab estimou ainda que, num cenário alternativo, a economia poderá ter contraído cerca de 20%, suportando esta percentagem com a "proporção muito elevada da população ativa, cerca de 25%, que esteve ausente do seu posto de trabalho normal durante o 2.º trimestre". Por outro lado, conforme apontou, este cenário é também sinalizado por indicadores como as vendas de veículos ou o número de dormidas em estabelecimentos turísticos.

Já no que se refere ao crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB), a Católica mantém o cenário anunciado em março de uma queda de 10% em 2020, sublinhando que o valor de 7% indicado no Orçamento do Estado Suplementar parece otimista.

"Esta projeção resultou da construção de cenários que permitem antever quedas do PIB entre 5% e 17% este ano, pelo que o valor de 7% indicado no Orçamento do Estado Suplementar de 2020 parece otimista já que pressupõe um segundo semestre do ano bastante favorável", explicou o NECEP, acrescentando que o cenário central é compatível com uma taxa de desemprego de 9% no conjunto do ano.

O NECEP mantém também a perspetiva de que a economia portuguesa deverá recuar de "forma mais ou menos intensa" em comparação com a zona euro este ano, estimando que o PIB da zona euro contraia 8,3%, com cenários compreendidos entre -- 11,5% e -- 4%.

Já para 2021 e 2022, embora a visibilidade seja "ainda diminuta", a economia deverá continuar inferior ao nível do PIB de 2019 no próximo ano, "com um hiato próximo dos 8% no cenário central e uma perda próxima dos 5% dois anos após o surgimento do surto pandémico". Porém, uma completa recuperação em 2021 face a 2019 "é possível num cenário otimista, bem como no horizonte de 2022 (+2,5%).

 

Related Press News

27/11/2020 - 19:22
Observador
Todos somos, mesmo que não o reconheçamos, puxados em várias direções por várias marcas que falam connosco ininterruptamente e com as mais variadas e atraentes promessas. Levar as pessoas a fazer aquilo que as marcas querem que elas façam. É esta a...
26/11/2020 - 11:38
Público
No início desta pandemia falou-se muitas vezes na vida ou no bolso. Na saúde ou na economia. Na realidade elas são indissociáveis. Não se pode comprar saúde, mas pode-se investir nela e provavelmente o melhor sítio para começar é através da educação. Na...

Upcoming Events

02
Dec
18:30

Católica Lisbon School of Business & Economics

LisboaLisboa1649-023
Portugal
09
Jan
10:00

Católica Lisbon School of Business & Economics

LisboaLisboa1649-023
Portugal