Passar para o conteúdo principal

Investigação na CATÓLICA-LISBON (CUBE)

História e missão do CUBE

Constituído em 1997, o CUBE é a Unidade de Investigação em Economia e Gestão da CATÓLICA-LISBON, uma business school do top 30 europeu segundo o Financial Times, e uma de apenas 1% das business schools mundiais a chamar a si a cobiçada “Coroa Tripla”, ao ter conseguido acreditações AACSB, EQUIS e AMBA.

A missão do CUBE é manter-se entre os grupos de investigação de topo em Economia e Gestão na Europa, sendo reconhecido internacionalmente pela sua excelência na investigação, publicações nas melhores revistas científicas, e pelo seu impacto social. Nas avaliações periódicas da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), o CUBE recebeu sempre a nota mais elevada de Excelente. Na avaliação de 2014, o CUBE recebeu mesmo a nota mais elevada de qualquer unidade de investigação em Ciências Sociais em Portugal.

A excelência do CUBE nas publicações e carreiras científicas

A investigação do CUBE tem tido um impacto significativo na comunidade científica, nas instituições e na sociedade, tanto através da disseminação do trabalho desenvolvido através de artigos e conferências como na educação. Os investigadores do CUBE publicam e colaboram com equipas editoriais das principais revistas científicas nas suas áreas, assumem posições de liderança nas comunidades académicas e dedicam-se a projetos de investigação aplicada. O CUBE possibilita que os investigadores possam desenvolver trabalhos de vanguarda que afetem a sociedade e cheguem a revistas científicas de renome.

O CUBE tem 53 membros doutorados de dez nacionalidades e com doutoramentos das melhores business schools mundiais. A maior parte dos investigadores do CUBE são docentes na CATÓLICA-LISBON. O trabalho de investigação no CUBE envolve as principais áreas da Economia e Gestão. Desde 2004 que a unidade está a contratar ativamente doutorados recém-formados das principais universidades de investigação europeias e da América do Norte, para posições com potencial para tenure. A escola entrevista candidatos todos os anos em conferências internacionais de topo (como as da Academy of Management, American Marketing Association, American Economic Association).

Num nível que compete com as melhores business schools internacionais, foram contratados investigadores do MIT (Macroeconomia), Washington University, St. Louis (Marketing e Macroeconomia), Universidade Bocconi (Estratégia), Universidade de Tillburg (Finanças, Marketing), London School of Economics (Finanças) e Universidade do Arizona (Marketing). A unidade inclui atualmente investigadores de 12 nacionalidades, vindos de países tão diversos como a Itália, França, Brasil, Canadá, Irão, Alemanha, Turquia, Finlândia e Estados Unidos. São mantidos padrões elevados para a promoção e estatuto de tenure através de um sistema de pontos pelas publicações em revistas científicas que estabelece requerimentos mínimos.

O CUBE conta com uma vibrante série de seminários, com financiamento para a recolha de dados e para as bases de dados da indústria, e acesso a assistentes de investigação e pós-docs. Além disto, existem oportunidades para visitas de dois a seis meses ao MIT ou ao CMU, no contexto de parcerias internacionais com as duas instituições.

Entre 2013 e 2017 os investigadores do CUBE publicaram 139 artigos em revistas científicas internacionais com revisão pelos pares, incluindo 46 artigos em revistas na lista de 50 do Financial Times, e 28 em revistas científicas 4* na lista do guia ABS. Mais do que 370 trabalhos de investigadores do CUBE foram apresentados neste período em conferências internacionais.

O CUBE organiza-se em oito áreas principais de investigação:

- Finanças e Contabilidade;
- Estratégia, Empreendedorismo e Inovação;
- Marketing e Comportamento do Consumidor;
- Teoria e Aplicações em Microeconomia;
- Gestão de Operações e de Informação e Análise de Big Data;
- Macroeconomia e Políticas Económicas;
- Comportamento Organizacional e Gestão de Recursos Humanos;
- Ética e Empresa Social

O projeto estratégico do CUBE tem o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

ALTA DIGITAL